• Blog UniCatólica

Sataniando… Sua vida deixará saudades?
Staniando

Sataniando… Sua vida deixará saudades?

Por Prof.ª Dra. Stânia Nágila Vasconcelos Carneiro

Quando eu era criança, tinha medo de tudo, principalmente, de cemitérios. Não sei exatamente o que sentia, se medo das “almas penadas”, ou de morrer, mas, hoje, acredito que não gostava da ideia de saber que um dia seria ali o meu endereço final. Depois consegui vencer este trauma.

Uma vez, indo ao cemitério desta cidade, pude observar duas coisas: 1) vários túmulos de crianças e jovens e isto me fez lembrar no fato de quetenho que estar preparada para me encontrar com Deus a qualquer momento (sim, eu espero me encontrar com Ele, sim!); 2) fui ler alguns epitáfios (aquelas palavras que os familiares escrevem para seus entes que partiram), aí, lembrei-me da música Epitáfio, dos Titãs que diz ”Devia ter amado mais, chorado mais, arriscado mais, complicado menos…”. Acho-a linda, porque pode até nos motivar à mudança de atitudes, mas não gostaria de tê-la (já que não teria condições de vê-la) escrito em meu túmulo. Não quero ser aquela pessoa que desperdiçou os melhores momentos de sua vida. Então “staniei”: o que tenho feito na vida? Será que meus feitos serão lembrados com saudade? Será que tenho procurado ser relevante por onde passo ou só mais uma na multidão? Essas coisas…

A Bíblia fala do rei Jeroão, que reinou oito anos, em Jerusalém. Ele foi tão ruim como governante que teve em seu epitáfio “Ninguém chorou sua morte”. É lastimável, né, ter a vida resumida numa frase como esta. O pior é que hoje, ainda, há pessoas que, ao sair de um local, emprego ou concluir um curso, ouvem de seus colegas: “Já vai tarde”. Mas, graças a Deus, podemos aprender com os erros dos outros. Assim, nosso grande desafio é não ficar lamentando o nosso passado, mas mudar nossas atitudes atuais para que tanto nosso presente quanto nosso futuro sejam vividos de forma a refletir a presença divina, isto é, uma vida íntegra.

Li, em algum lugar, que um senhor mandou escrever na sepultura da esposa: “Amada esposa… sempre procurou o melhor, sempre encontrou”. Estes dois verbos me chamaram a atenção porque eles são sinônimos de busca, de movimento e de incômodo. Muitas vezes, ouvimos ou até dizemos: ”Amanhã me dedicarei mais à oração”, ou então “Preciso me aproximar mais de Deus”, ou melhor “Sei que preciso me tornar uma pessoa melhor, amanhã serei diferente, agirei diferente”, ou “Não me controlei hoje, mas, amanhã, será um novo dia”.

Nosso tempo de ação, nossa hora de agir é agora. Não é amanhã ou quando tivermos tempo, quando terminarmos nosso curso ou ingressarmos no mercado de trabalho, ou quando a aposentadoria chegar, ou quando acontecer isto ou aquilo. Não! O tempo de aproveitarmos as oportunidades é agora, hoje. O tempo de sermos melhores é, definitivamente, agora, neste exato momento em que você lê este texto!

“Lembremo-nos de que nunca devemos deixar para amanhã, pois o amanhã será sempre amanhã.” (Autoria desconhecida).

Por: Eliane Rodrigues

Deixe seu comentário